Podcast YouTube
Podcast Spotfy
Slide
Slide

Dia de campo da Assocafé em Carmo do Paranaíba

Novas cultivares são apresentadas por pesquisadores da Embrapa, Epamig, Procafé e CPCMG

No dia 27 de abril, pesquisadores da Embrapa Café, Epamig e Procafé se reuniram em Carmo do Paranaíba para o Dia de Campo do Cerrado Mineiro. O evento, promovido pela Associação dos Cafeicultores do Alto Paranaíba (Assocafé), ocorreu na Fazenda Cachoeira, propriedade do cafeicultor Enivaldo Marinho, e contou com um piquenique organizado pelo Grupo Mulheres UVF-CRP, sob coordenação da professora e pesquisadora Maria Elisa de Sena Fernandes e Mariana Montanari.

A superintendente da Assocafé e uma das organizadoras do evento, Paula Moreira, informou que a participação foi expressiva e diversificada, contando com a presença de aproximadamente 700 inscritos. Entre eles estavam produtores, esposas de produtores, funcionários de fazendas, pesquisadores, professores, estudantes, técnicos agrícolas, engenheiros agrônomos e empresas.

Os presentes tiveram a oportunidade de conhecer as estações de campo com experimentação de 16 cultivares de café para avaliação de adaptabilidade e produtividade, bem como os resultados da terceira safra dos campos de variedades instalados na Fazenda Cachoeira. As áreas experimentais foram apresentadas por engenheiros agrônomos especialistas na área, como André Dominghetti Ferreira e Maurício Bento da Silva da Embrapa Café, Gladyston Rodrigues Carvalho e Vinícius Teixeira Andrade da Epamig, José Braz Matiello da Procafé, e Rafael Jorge Almeida Rodrigues do Centro de Pesquisas Cafeeira de Minas Gerais (CPCMG).Parte superior do formulário

Durante o evento, houve uma palestra ministrada por Ana Paula Urtado que, junto ao seu marido, Marcelo Urtado, são proprietários da Fazenda 3 Meninas. Em sua palestra, Ana Paula trouxe a temática “Biológicos e Biodiversidade na Cafeicultura” e compartilhou sua experiência na produção de cafés premiados por meio do uso de tecnologias sustentáveis e inovadoras, cujo objetivo é garantir a produção em quantidade e qualidade, ao mesmo tempo que reduz o impacto ambiental através de tecnologias de baixo carbono. Segundo Ana Paula, apesar da necessidade de mudança por parte dos produtores rurais para adotar tecnologias mais sustentáveis, ainda há resistência. Para ela, essa resistência não está baseada em questões técnicas, já que as pesquisas têm demonstrado que é possível produzir com qualidade e em quantidade de forma sustentável. Ana Paula acredita que a resistência está na dificuldade em aceitar o novo.

Posteriormente, o evento foi encerrado com uma palestra ministrada por Dado Shneider, doutor em comunicação pela PUC/RS, cujo tema foi ‘O mundo mudou… bem na minha vez!’. Ele abordou temas como evolução, os reflexos da pandemia, a evolução humana, reflexões sobre o dia de hoje e sobre o futuro.

O evento contou com stands de empresas que atuam no setor do agronegócio e, com uma estrutura acolhedora, não faltou café para o bom bate-papo e networking. O evento, que aconteceu ao longo de todo o dia, foi preparado com muito esmero, com almoço à vontade para todos os presentes e um churrasco ao final do evento.

Estiveram presentes, prestigiando o evento, o Prefeito de Carmo do Paranaíba, César Caetano, Danilo Barbosa, um dos cafeicultores mais importantes da região que já recebeu premiação pela qualidade do café, Cesarino Bicalho, gerente da Assogotardo, e muitas outras personalidades do agronegócio e, principalmente, do setor cafeeiro.

Segundo o presidente da Assocafé, Cléber Ribeiro, o evento oferece uma excelente oportunidade para trocar experiências e apresentar os resultados das pesquisas em andamento sobre as cultivares mais produtivas para a região. Ele explica que a escolha da data para a realização do evento levou em conta a frutificação do café, permitindo aos visitantes das áreas experimentais visualizar os resultados obtidos para cada cultivar em teste. No entanto, Cléber destaca que, embora seja possível obter uma ideia das cultivares mais produtivas, ainda é necessário um tempo maior de pesquisa para identificar com precisão as cultivares mais adequadas para o plantio na região do Alto Paranaíba.

Por sua vez, Paula avaliou que o evento superou suas expectativas, sendo extremamente proveitoso. Em seu balanço, ela destacou que os resultados apresentados podem trazer benefícios importantes e significativos para o setor. Além disso, ela acredita que a divulgação dos resultados pode levar muitos produtores a adotarem as novas cultivares mais produtivas e se beneficiarem com o uso das novas cultivares de café.