Podcast YouTube
Podcast Spotfy
Slide
Slide

Uso de drones na agricultura ajuda produtores de café no monitoramento dos efeitos de geadas

Uso de drones na agricultura é cada vez mais frequente (Crédito: Wenderson Araújo/Trilux/CNA)
Uso de drones na agricultura é cada vez mais frequente (Crédito: Wenderson Araújo/Trilux/CNA)

Drones já foram temas de podcasts no 100PORCENTOAGRO. Pesquisa da UFLA aponta que tecnologia permite quantificar rapidamente danos de geadas e implementar medidas de prevenção e mitigação

Uma pesquisa da Universidade Federal de Lavras (UFLA) explorou o uso de Aeronaves Remotamente Pilotadas (RPAs), os drones, no monitoramento de plantações de café afetadas por geadas. O estudo foi realizado em três áreas de plantio em uma fazenda na região de Santo Antônio do Amparo, Minas Gerais. A pesquisa mostrou que o uso de drones na agricultura traz benefícios significativos para os produtores de café, permitindo monitorar os efeitos das geadas, quantificar rapidamente seus danos e implementar medidas de prevenção e mitigação.

Conteúdos relacionados:

 

Durante um ano e meio, três áreas de cultivo de café com idades de plantio diferentes (um ano, dois anos e oito anos) foram monitoradas usando um drone. Essas áreas de plantio foram classificadas em zonas de baixo risco (parte superior do terreno) e alto risco (parte inferior do terreno), considerando a possibilidade de serem afetadas por geadas. As imagens multiespectrais obtidas por esse sensoriamento remoto via drone foram analisadas através de modelos matemáticos, também chamados de índices de vegetação, que permitem avaliar e caracterizar a cobertura vegetal de uma determinada área.

O estudo constatou que as duas plantações mais novas, assim como todas as áreas de alto risco climático, foram as mais afetadas pela geada. A plantação mais antiga, embora menos afetada, teve maior dificuldade para se recuperar ao longo do tempo. A pesquisa concluiu que os índices de vegetação MSR e MCARI2 foram mais eficientes em avaliar os danos em plantios de um ano, enquanto que os índices SAVI, MCARI1 e MCARI2 foram melhores para visualizar os danos nos plantios de dois anos.

O monitoramento, de acordo com a autora do estudo, Gislayne Farias Valente, começou após a geada de julho de 2021. Foram realizadas cinco visitas periódicas, a cada três meses, às plantações de café, durante um ano e meio. Cada planta e seus ramos foram marcados para garantir consistência nas medições. A primeira avaliação foi feita três dias após o evento da geada. Nela, foram medidos a porcentagem dos danos foliares, a altura das plantas e o número de folhas e nós por ramo. Além disso, através de um drone, foram capturadas imagens com uma câmera multiespectral para a análise dos índices de vegetação.

Nas demais visitas, foram contabilizados os mesmos parâmetros vegetativos de crescimento e recuperação do cafeeiro, além da realização dos voos com o drone. Foi contado o número de flores durante a floração e o número de frutos na última visita. O estudo identificou que a plantação de um ano, a mais nova, foi danificada em 80% nas áreas de alto risco de geada. Com esses dados, os agricultores podem tomar decisões mais assertivas, como a poda, a adubação, o replantio ou apenas aguardar a rebrota.

Para a pesquisadora, estudos como esse podem evitar perdas financeiras significativas, já que o Brasil é o maior produtor de café do mundo e Minas Gerais, o estado no qual o estudo foi realizado, é responsável por aproximadamente 70% de toda a produção nacional. Segundo Gislayne Farias, esses estudos abrem portas para uma série de pesquisas adicionais. Ao compreendermos melhor os efeitos desses eventos climáticos adversos, podemos identificar lacunas no conhecimento e áreas que necessitam de mais investigação. Isso estimula a colaboração entre cientistas, agricultores e instituições de pesquisa no desenvolvimento de soluções inovadoras e estratégias de adaptação mais eficazes.

A pesquisa: “Aeronave remotamente pilotada aplicada no monitoramento de cafeeiros após a ocorrência de geada” foi desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola pela então doutoranda Gislayne Farias Valente, sob orientação dos professores Gabriel Araújo e Silva Ferraz, Fábio Moreira da Silva e Felipe Schwerz, todos do Departamento de Engenharia Agrícola (DEA/UFLA).