Podcast YouTube
Podcast Spotfy
Slide
Slide

Cafés do Sudoeste de MG conquistam Indicação Geográfica

Conquista da IG traz benefícios para toda a cadeia produtiva (Foto: Emater MG)
Conquista da IG traz benefícios para toda a cadeia produtiva (Foto: Emater MG)

Com o novo registro o Brasil atinge a marca de 104 IG, sendo 14 delas destinadas a cafeicultores. Sudoeste se junta a outras quatro localidades de Minas Gerais reconhecidas anteriormente na produção de café: Cerrado Mineiro, Mantiqueira de Minas, Campo das Vertentes e Matas de Minas

A Associação dos Cafeicultores do Sudoeste de Minas acaba de conquistar o reconhecimento de Indicação Geográfica (IG) pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). Com esse novo registro, o Brasil atinge a marca de 104 IG, sendo 14 delas destinadas a cafeicultores. A concessão foi obtida na categoria Indicação de Procedência e engloba 21 municípios, contando com 56 produtores ativos na cafeicultura mineira. A região se junta agora a outras quatro localidades do estado de Minas Gerais que já haviam sido reconhecidas anteriormente na produção de café: Região do Cerrado Mineiro, Mantiqueira de Minas, Campo das Vertentes e Matas de Minas. Há ainda a Indicação Geográfica do Caparaó que inclui parte de Minas Gerais e parte do Espírito Santo.

A região do Sudoeste de Minas produz entre 3 e 4 milhões de sacas anuais, o equivalente a 10% da produção do Estado. Uma das características da região é que as lavouras foram plantadas em áreas planejadas, com altitudes acima de 1 mil metros. Os produtores haviam feito o pedido de Indicação Geográfica em agosto de 2022, após um amplo trabalho de diagnóstico e de estruturação feito em parceria com o Sebrae. O objetivo da iniciativa era fortalecer a identidade regional, contribuir para o desenvolvimento sustentável da cafeicultura e viabilizar a inserção competitiva dos produtores no mercado global. Com a IG, os produtores querem avançar nos esforços de organização e desenvolvimento do setor.

Para a analista de inovação do Sebrae, Hulda Giesbrecht, a atuação da instituição, em conjunto com as associações de produtores rurais, está transformando a realidade no campo, por meio da ação coletiva com um propósito comum de proteger e promover a região. “O reconhecimento do INPI é um diferencial para o acesso a novos mercados, qualifica a produção com base na origem e agrega valor aos produtos das regiões com Indicação Geográfica. O Programa Sebrae Origens está presente em diferentes segmentos de atividade, como: artesanato, cachaça, mel, frutas, farinha, embutidos, queijo, doces, entre outros”, comenta Hulda.

Para o presidente da associação de produtores, Fernando Barbosa, o reconhecimento do INPI é um marco histórico para a região. “O registro de Indicação Geográfica é não só uma promoção para o nosso produto, mas uma proteção também. Os produtores vão seguir toda a especificação técnica, o que vai assegurar mais controle ao processo. Isso vai inspirar e fomentar uma nova cafeicultura para a região”, avalia o produtor.

O reconhecimento da IG é um importante passo para os produtores da região do Sudoeste de Minas, que agora têm a oportunidade de se destacar no mercado global e agregar valor aos seus produtos. Além disso, a conquista da IG traz benefícios para toda a cadeia produtiva, contribuindo para o desenvolvimento sustentável da cafeicultura na região e fortalecendo a identidade regional.