Podcast YouTube
Podcast Spotfy
Slide
Slide

Economia Circular impulsiona negócios sustentáveis, diz especialista

Conceito inovador reaproveita resíduos de uma produção como matéria-prima para outra. Falando ao Jornal 100PORCENTOAGRO, André Holzhacker, diretor do Grupo Regera, fala em mitigar impactos ambientais e criar novos mercados

 

Em contraposição à tradicional economia linear, surge o conceito inovador da economia circular, evoluindo a abordagem no uso dos recursos naturais. Nesse modelo, os resíduos de uma produção tornam-se matéria-prima para outra, gerando benefícios econômicos, sociais e ambientais. André Holzhacker, diretor do Grupo Regera, destaca que, ao adotar a economia circular, é possível mitigar impactos ambientais e criar novos mercados. A declaração foi publicada na edição de janeiro/fevereiro do Jornal 100PORCENTOAGRO.

Leia aqui

O biogás destaca-se como exemplo prático da economia circular, utilizando resíduos orgânicos, como rejeitos de frigoríficos e indústria sucroalcooleira, para gerar energia elétrica, térmica e biometano. Apesar do vasto potencial no Brasil, especialmente no Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, a utilização do biogás ainda representa apenas 4%, indicando um mercado a ser explorado.

Além do biogás, a produção de biodigestão resulta em digestado, um valioso fertilizante para a agricultura. Diante da dependência de importações de fertilizantes, a recuperação de nutrientes a partir de resíduos surge como uma alternativa viável. Holzhacker destaca a possibilidade de reduzir a importação de NPK (nitrogênio, fósforo e potássio) conforme as metas do Plano Nacional de Fertilizantes.

A indústria do biogás também se destaca no mercado de créditos de carbono, alinhando-se a políticas como o Renovabio, estabelecido em 2017. Recentemente, o Congresso Nacional aprovou o Mercado Regulado de Carbono, sinalizando uma evolução futura.

O caso de sucesso da fazenda Recanto, em Patos de Minas, exemplifica a aplicação prática desses conceitos. Com mais de 35 projetos de biogás, a Regera projeta investir R$ 1,5 bilhão em parcerias nos próximos cinco anos. A usina do Grupo Auma não só trata resíduos da suinocultura, café e complexo industrial, mas também gera energia elétrica, biometano e biofertilizante, promovendo benefícios aos colaboradores e reduzindo custos.

Em um contexto global de redução de emissões, a estratégia de adotar práticas sustentáveis, como o biogás, ganha destaque. Países como a Europa, ao taxar a intensidade de carbono, tornam a produção sustentável uma vantagem competitiva. Holzhacker enfatiza que o biogás oferece uma excelente alternativa para gerar valor, tanto para produtos quanto para a indústria, contribuindo para um futuro mais sustentável.