Podcast YouTube
Podcast Spotfy
Slide
Slide

Belo Horizonte recebe a 11ª edição da Semana Internacional do Café

SIC é principal evento do setor de café no Brasil e um dos mais importantes do mundo (Foto: Gustavo Baxter/Nitro/SIC 2022/Divulgação)
SIC é principal evento do setor de café no Brasil e um dos mais importantes do mundo (Foto: Gustavo Baxter/Nitro/SIC 2022/Divulgação)

De hoje (8) até sexta, capital mineira reúne produtores de todo o país e compradores de várias partes do mundo. Evento gera oportunidades para a cadeia brasileira do café

Entre hoje (8) e esta sexta-feira, dia 10, a capital mineira sedia a 11ª edição da Semana Internacional do Café (SIC), o maior e mais importante evento do setor do café no Brasil e um dos principais do mundo. O evento ocorre no Expominas, reunindo produtores de café de todo o país e compradores de diversas partes do mundo, destacando o Brasil como o verdadeiro país do café. A Diretora Agrícola da Auma Agronegócios e Sócia Diretora do 100Porcentoagro, Lucimar Silva, participa do evento como uma das idealizadoras do projeto “Flores do Café e do Bem-Estar”, com o grupo Mulheres Agro UFV-CRP, do campus Rio Paranaíba da Universidade Federal de Viçosa.

Saiba mais: Sucessão e crescimento pessoal fecham temporada de projeto das Mulheres Agro UFV-CRP

Desde seu lançamento em 2013, a SIC tem desempenhado um papel fundamental na geração de oportunidades para a cadeia do café brasileiro, tanto no mercado nacional quanto internacional. Neste ano, são esperadas mais de 20 mil pessoas, vindas de até 40 países, proporcionando conexões e transações comerciais para todo o setor.

A Semana Internacional do Café concentra-se principalmente em transações B2B, abrangendo desde produtores de café até representantes de empresas em todas as etapas da cadeia produtiva de seleção, processamento e embalagem do grão. O evento também atrai grandes e pequenos empresários do setor, bem como aqueles que estão se preparando para abrir cafeterias. Além disso, a SIC conta com a participação de agrônomos, mestres de torra, baristas e representantes de setores complementares, como o de leites vegetais.

O tema do encontro deste ano é “Origens produtoras: uma visão de futuro para uma nova cadeia do café”, refletindo a importância das práticas, produção e consumo sustentáveis em todos os setores do café.

Caio Alonso Fontes, diretor da Espresso&CO e um dos realizadores do evento, destaca: “Temos muito orgulho em afirmar que a Semana Internacional do Café é um espaço onde, há 11 anos, histórias são contadas, conexões geradas e um número gigante de negócios é realizado anualmente, fomentando o setor do café brasileiro como nunca antes na história”.

Uma das entidades realizadoras do evento, o Sistema Faemg Senar, enfatiza a importância de promover melhorias nas propriedades rurais para que o setor cafeeiro continue avançando. A SIC desempenha um papel crucial ao conectar o produtor rural a grandes agentes da cadeia cafeeira e destacar o valor dos cafés produzidos em Minas Gerais.

O Sebrae Minas Gerais, outra entidade realizadora do evento, trabalha há mais de dez anos para estruturar as origens controladas. Marcelo de Souza e Silva, presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-MG, explica que o objetivo é valorizar o trabalho dos produtores, incentivar a melhoria contínua da qualidade do café e promover uma cafeicultura mais sustentável e consciente em nove regiões produtoras de café.

Origens controladas

O tema da SIC deste ano é “Origens produtoras: uma visão de futuro para uma nova cadeia do café”, enfatizando a importância das práticas de produção e consumo sustentáveis em todos os setores. A organização do evento visa não apenas instruir, mas também ampliar e destacar o trabalho de excelência e sustentabilidade dos produtores de café brasileiros, promovendo as origens produtoras de café no país.

O tema das origens produtoras não é algo novo e tem sido usado no mundo dos vinhos há séculos. A primeira denominação de origem surgiu em 1756, com o objetivo de proteger e demarcar a Região do Vinho do Porto, em Portugal, que estava sofrendo adulterações e pirataria devido à sua fama pela qualidade. Essa ideia se espalhou por toda a Europa, incluindo países como França, Itália e Espanha.

No Brasil, a estratégia de proteção e geração de valor para produtos e serviços de origem específica chegou em 1996, com a criação do marco legal da indicação geográfica (IG) pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). Esse marco se divide em dois tipos de registros: indicação de procedência (IP) e denominação de origem (DO), que atestam a fama, notoriedade, qualidade e exclusividade de determinados produtos relacionados a territórios específicos.

O diretor da Espresso&CO, Caio Alonso Fontes, destaca a importância das diferentes regiões produtoras de café no Brasil: “Quando falamos em café brasileiro, temos que levar em consideração não apenas a qualidade de nossos grãos, mas também a diversidade de cada uma das regiões produtoras. É esta variedade de terroir, cultura, clima e uma série de outros fatores que tornam a cafeicultura brasileira a mais respeitada do mundo.”

Atualmente, o Brasil detém o maior número de registros de indicação geográfica no mundo para o café, com 35 regiões produtoras e 14 registros. Minas Gerais possui nove regiões reconhecidas, sendo sete com indicações geográficas, quatro com denominações de origem e três com indicações de procedência. Esses registros agregam valor ao café e identificam características únicas de cada região produtora.

As origens produtoras têm se tornado um diferencial importante para competir nos mercados nacional e internacional, à medida que os consumidores se tornam mais conscientes e exigentes. O Sebrae Minas tem trabalhado em conjunto com as regiões produtoras para estruturar e promover as origens de café no estado, com nove origens que possuem estratégias de marca territorial desenvolvidas e planos de ação para impactar positivamente toda a cadeia produtiva do café e seus territórios.

Programação extensa

Dado que o Brasil é o maior produtor de café do mundo e o segundo maior consumidor, a programação da SIC inclui palestras, workshops, degustações, cursos e competições, com o intuito de impulsionar ainda mais o setor e promover o desenvolvimento da cafeicultura nacional.

A Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais, outra entidade realizadora do evento, destaca o papel fundamental da SIC na promoção dos cafés brasileiros, integrando todos os elos do agronegócio do café. O evento é uma oportunidade para mostrar a diversidade e a qualidade dos cafés mineiros para o mundo.

Durante os três dias de evento, os participantes poderão desfrutar de mais de 20 eventos de conteúdo e premiações, incluindo o concurso Coffee of the Year Brasil 2023, o Encontro Mineiro das Cooperativas de Café (OCEMG) e o Campeonato Brasileiro de Barista, cujo campeão representará o Brasil no campeonato mundial em 2024.

Nesta quinta-feira(9), destaque para o Grupo Mulheres Agro UFV-CRP. A coordenadora, professora Maria Elisa Fernandes, Lorena Mangabeira e Lucimar Silva, irão ministrar palestra sobre as ações de valorização e empoderamento da mulher na cadeia cafeeira, destacando o a série de encontros “Flores do Café e Bem-Estar”, durante o evento “Conexão Mulheres do Café”.
Estamos ansiosas para vê-las e reencontrar todas as que têm sido parte fundamental da nossa jornada.

A Semana Internacional do Café tem o apoio institucional da OCEMG e conta com patrocínio diamante da 3 Corações, patrocínio prata do Sicoob e Melitta, e patrocínio bronze da Cocatrel, Nescafé e Nucoffee. O evento é gratuito para produtores rurais e empresas da área, bem como para visitantes internacionais. Pessoas físicas também podem participar, com ingresso a R$60 pelos três dias.