Podcast YouTube
Podcast Spotfy
Slide
Slide

Plano Safra 24/25 tem R$ 400,59 bilhões para agricultura empresarial. Diretor da Credisg contextualiza

João José da Silva: "havia expectativa de redução das taxas, porém isso não ocorreu" (Crédito: Sicoob Credisg)
João José da Silva: "havia expectativa de redução das taxas, porém isso não ocorreu" (Crédito: Sicoob Credisg)

Governo lança Plano Safra 24/25 com R$ 400,59 bilhões para fortalecer agricultura empresarial. Investimentos em crédito, inovação e sustentabilidade são destacados

O Governo Federal anunciou o lançamento do Plano Safra 24/25, destinando um montante significativo de recursos para impulsionar o setor agrícola do país. O valor total do plano alcança R$ 400,59 bilhões, representando um aumento em relação ao período anterior.

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o Plano Safra 24/25 visa apoiar e fortalecer a agricultura empresarial brasileira, proporcionando condições para o aumento da produção e a garantia de segurança alimentar. Entre os principais objetivos do plano, destaca-se o financiamento para custeio, comercialização e investimentos em infraestrutura e inovação tecnológica.

Para o crédito rural, estão previstos R$ 204,17 bilhões, destinados a operações de custeio e comercialização. Além disso, R$ 209,66 bilhões serão direcionados para financiamentos de investimento, visando modernização e expansão da capacidade produtiva no campo.

O Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp) terá à disposição R$ 45,36 bilhões, com condições diferenciadas de crédito. Já o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural contará com R$ 2,55 bilhões, visando aumentar a segurança dos produtores contra perdas decorrentes de intempéries climáticas e outras adversidades.

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Carlos Fávaro, em pronunciamento, ressaltou a importância estratégica do Plano Safra para a economia nacional, afirmando que o Brasil mantém sua posição de destaque global na produção agrícola, e este investimento é fundamental para sustentar nosso crescimento e competitividade no mercado internacional. Fávaro também destacou a prioridade do governo em promover uma agricultura sustentável, com ações voltadas para a preservação ambiental e o uso racional dos recursos naturais.

Participação feminina no agronegócio

O Plano Safra 24/25 também reconhece e incentiva a crescente participação das mulheres no agronegócio. De acordo com dados do Ministério da Agricultura, as mulheres representam uma parcela significativa dos empreendedores rurais e têm desempenhado um papel crucial na gestão e inovação das propriedades agrícolas. Para fortalecer essa participação, o plano inclui linhas de crédito específicas e programas de capacitação voltados para o público feminino, promovendo a igualdade de oportunidades no setor.

Inovação e tecnologia

Outro ponto de destaque do Plano Safra 24/25 é o incentivo à inovação tecnológica no campo. O governo destinará recursos para o desenvolvimento e adoção de tecnologias que aumentem a eficiência e sustentabilidade da produção agrícola. Estamos comprometidos em apoiar a modernização do setor, promovendo o uso de tecnologias de ponta e práticas agrícolas mais sustentáveis, afirmou Fávaro.

Sustentabilidade e meio ambiente

O Plano Safra 24/25 também reforça o compromisso do Brasil com a sustentabilidade. Serão implementadas medidas para promover a conservação do solo e da água, além de programas que incentivem a recuperação de áreas degradadas. O governo espera que essas ações contribuam para a redução do impacto ambiental da agricultura, ao mesmo tempo em que aumentam a produtividade e a resiliência do setor diante das mudanças climáticas.

Na linha de financiamento para investimentos, são 13 programas que proporcionam a inovação e a modernização das atividades produtivas, contribuindo para a continuidade dos ganhos de produtividade, competitividade, emprego e renda.

Diretor de Negócios do Sicoob Credisg analisa

Em entrevista exclusiva, o Diretor de Negócios do Sicoob Credisg (São Gotardo), João José da Silva, disse que havia expectativa de redução das taxas, visto que impactam diretamente nos custos de produção das lavouras, porém isso não ocorreu.

Como o Plano Safra 24/25 impactará os produtores agrícolas da região de São Gotardo e Alto Paranaíba? Quais são as expectativas da Credisg em relação à demanda por esses recursos?

Nossa expectativa era de que houvesse uma redução das taxas, visto que impactam diretamente nos custos de produção das lavouras, assim como nos insumos em geral, o que acabou não acontecendo. Com relação à demanda, acreditamos que os recursos serão suficientes para que o Sicoob Credisg atenda seus associados. Vale ressaltar que na hipótese dos recursos de repasse não serem suficientes, a cooperativa dispõe de recursos próprios que também poderão ser utilizados, bem como linhas alternativas em condições bem competitivas.

O programa destina R$ 209,66 bilhões para financiamentos de investimento, incluindo modernização e expansão da capacidade produtiva. Quais iniciativas a Credisg planeja implementar para apoiar os agricultores da região a acessar esses recursos e investir em tecnologia e infraestrutura?

O Sicoob Credisg vem se estruturando, em aspectos comerciais, operacionais e na formação de profissionais cada vez mais especializados. Tudo isso com o objetivo de atender tempestivamente as iniciativas de investimentos dos associados e proporcionar experiências positivas na materialização de seus projetos.

Com o Pronamp oferecendo R$ 45,36 bilhões em crédito com condições diferenciadas para o médio produtor rural, como a Credisg pretende orientar e apoiar seus associados para que possam aproveitar essas condições favoráveis?

A linha Pronamp, voltada a atender os médios produtores (com renda bruta anual de até R$3 milhões e atendido às outras exigências da linha) é um recurso muito demandado em função de sua taxa ser bastante atrativa (8% a.a). Considerando que em nossa região o sistema de exploração em forma de condomínios seja uma vantagem competitiva, por outro lado gera algumas dificuldades de atendimento na linha e na legislação. A Credisg procura orientar seus associados para que utilizem os recursos da melhor forma, buscando atender à legislação e não colocando o associado em risco de uma possível desclassificação de sua operação.

O Plano Safra 24/25 inclui R$ 2,55 bilhões para o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural. Considerando as características climáticas e os riscos específicos da região de São Gotardo, como a Credisg avalia a importância desse programa e como ele pode beneficiar os produtores locais?

O seguro rural é uma segurança para o agricultor nas situações de adversidade. Há algumas situações em que sua contratação é obrigatória, em outras é uma oportunidade de segurança do negócio do produtor, essa segurança tem um custo, mas que pode ser incluído nos valores financiados, não havendo a necessidade de desembolso imediato. A subvenção do governo não é suficiente para a demanda do mercado, nosso objetivo é dar condições para que todos os que desejarem, possam contratar o seguro, lembrando que as alterações climáticas estão cada vez mais acentuadas.

Dado o aumento significativo nos recursos disponibilizados pelo Plano Safra 24/25, quais são os principais desafios que a Credisg prevê enfrentar para assegurar que seus associados tenham acesso eficiente e eficaz a esses financiamentos? Como a cooperativa está se preparando para superar esses desafios?

O modelo de negócios adotado na região, chamado de condomínios e/ou grupos de produção, é formado por empresários, que constantemente se movimentam em participações, alternância de áreas e afins. O grande desafio para o Sicoob Credisg é manter os cadastros atualizados para que os atendimentos sejam realizados com eficiência, visto que para ter acesso às linhas de crédito rural, a documentação, os planos, os projetos e os orçamentos precisam estar em conformidade com a legislação vigente.